UBS GURUGI

O Projeto

A criação de uma Unidade Básica de Saúde, organizada a partir de blocos com pátios internos, se apoia em uma estratégia projetual com dois focos de qualificação: o externo (espaços do quilombola) e o interno (humanização funcional). O lote destinado para a elaboração do projeto da UBS se localiza dentro do assentamento Gurugi II, no município de Conde – PB, pensar em um projeto nesta área foi desafiador, tanto pelo seu entorno, que necessita desse olhar acolhedor e de cuidado, quanto também pelo seu dimensionamento, sendo ele quase que um destaque para o entorno, tivemos a preocupação que não destoar em escala monumental, deixando tudo mais acolhedor e funcional. O terreno tem um desnível de 1.80m no qual aproveitamos para deslocar os blocos arquitetônicos juntos com as curvas de nível. 
Partimos da premissa de grandes blocos horizontais térreos com pátios internos e momentos de cheio e vazio facilitando alem da acessibilidade a ventilação e iluminação natural, estabelecendo assim a legibilidade de sua relevância como equipamento público. 
Realizar esse edifício em um único nível com deslocamentos apenas por passarelas entre um bloco e outro garante a acessibilidade e o rápido deslocamento em casos de emergência, usamos os pátios internos como área de respiro e também de espera, o que induz a uma atmosfera tranquila e de acolhimento a quem vai até a UBS
 Sua escala humana induz ao indivíduo pertencimento ao equipamento trazendo mais conforto, o paisagismo auxilia no sombreamento isola ruídos externos e traz a natureza pra perto dando sensação de biofilia ao ambiente.

 

Local: Conde PR
Ano: 2019
Área: 2,500m²
Equipe : Om Arquitetos e Silvina Rubio

 

A praça de acesso

o acesso à UBS se faz pelo norte e aproveita a fachada principal como extensão do passeio público (calçada e rua) para conecta-la a grande praça de acesso, reservando e isolando a área de mobilidade motorizada e estacionamento, a proposta para essa praça de acesso é uma aposta por um futuro uso coletivo e de encontros da própria comunidade, qualificando o equipamento como um lugar de encontro, ponto tão importante na cultura quilombola

Os Blocos
os dois blocos longilíneos e horizontais que se conectam pela praça central com uma passarela organizam as necessidades do programa de acordo com a vocação e cada setor, uma solução que oferece flexibilidade e adaptabilidade, própria para a funcionalidade hospitalar desejada 
na ausência de uma paisagem exterior consolidada, cria-se uma sequência de paisagens acolhedoras no seu interior com seus respectivos pátios humanizados de função contemplativa, acolhimento e controle térmico, o bloco frontal de acesso a UBS é onde se distribui as funções, pois a partir dele o público é conduzido.

 

A Recepção

A recepção cabe confortavelmente 26 pessoas sentadas, fora a área externa com bancos e contato com o verde, que cabem mais 15 pessoas sentadas confortavelmente atendendo assim o requerimento do edital que solicitava 20 pessoas acomodadas. Além de que no pátio interno dois grandes bancos servem de apoio para os acompanhantes.

1 BICICLETÁRIO ( 10 UNI)
2 ACESSO PEDESTRE
3 CARGA E DESCARGA
4 VAGA PDC 
5 VAGA IDOSO
6 ACESSO AMBULÂNCIA (27M²) 
7 RECEPÇÃO / ESPERA (22M²)
8 ESPERA AO AR LIVRE (10M²)
9 TERRAÇO DE ACOLHIMENTO 
    E ESPERA (66M²)
10 BANHEIRO FEMININO (10M²)
11 BANHEIRO MASCULINO (10M²)
12 SALA DE OBSERVAÇÃO (16M²)

13 COPA E COZINHA ALTERNATIVA (5M²)
14 CONSULTÓRIO NASF (9M²)
15 CONSULTÓRIO COM BANHEIRO
     ADAPTADO  (9M²)
16 SALA DE VAICNA (9M²)
17 ALMOXARIFADO (3M²)
18 CONSULTORIO ODONTOLÓGICO (18M²)
19 ESCOVÁRIO (3M²)
20 RECEPÇÃO DA ALA 2 (10M²)
21 CIRCULAÇÃO PARA ENTRADA DA
      AMBULANCIA (20M²)
22 SALA PARA REUNIÃO E ATIVIDADES 
      EDIUCACIONAIS (8M²)

23 DEPOSITO DE MATERIAL DE 
      LIMPEZA (3M²)
24 ABRIGO DE RESÍDUO SÓLIDO (5M²)
25 SALA DE UTILIDADES (4M²)
26 ÁREA PARA COMPRESSOR 
     E BOMBA DE VACUO (3M²) 
27 SALA DE DISPENÇÃO DE 
     MEDICAMENTOS (10M²)
28 SALA DE RECEPÇÃO LAVAGEM
     E DESCONTAMINAÇÃO (4M²)
29 SALA DE ESTERILIZAÇÃO E 
     ESTOCAGEM DE MATERIAL 
     ESTERELIZADO (6M²)

30 ARQUIVO PARA 4 MIL 
     PRONTUARIOS ( 3M²)
31 LOCAL DE LAVAR VERDURAS 
32 HORTA COMUNITÁRIA 
33 RESERVATÓRIO DE AGUA
34 COBERTURA VENTILADA
35 VENEZIANAS 
36 ABERTURA PARA MANUTENÇÃO

A Estrutura 

O volume dividido em dois blocos é embasado e formada por lajes de concreto moldadas, e alvenaria de concreto modular, facilitando a montagem. A edificação é pousada sobre uma base também em alvenaria, possibilitando em seu interior o fácil acesso as áreas técnicas e de manutenção elétrica e hidráulica, e não menos importante abrigo para os reservatórios de águas pluviais que são recolhidas pela cobertura, além de ser uma importante estratégia passiva de conforto térmico. A estrutura da cobertura é em aço e sustentada por pilares de aço roliços que suportam grandes cargas e pontualmente distribuem melhor o peso sobre a base em concreto, uma estrutura econômica e leve, suas telhas em sanduíche possuem em seu interior uma camada de PU, material termo acústico distribuídos em duas águas até as calhas e coletores.

Sustentabilidade 
A simplicidade do projeto é forte indicio de racionabilidade e a função do programa de necessidades norteia a planta e o fluxo das diretrizes construtivas. Sustentabilidade é racionalizar, reutilizar e principalmente reduzir, com base nessas primícias o projeto foi desenvolvido para ser econômico durante e pós obra. O telhado em sua grande extensão coleta as águas das chuvas que são armazenadas no interior da base do edifício.  A fachada é protegida por uma segunda pele, feita em com madeira certificada e placas metálicas perfuradas é uma ótima proteção que filtra a luz solar deixando adentrar apenas a luminosidade nos ambientes, possui também a função de sombreamento refrigerando as paredes e aberturas. A segunda pele cria uma identidade visual importante e dialoga com seu entorno, e não menos importante filtra os ruídos da rua e dos carros, contribuindo para o conforto acústico. também pensamos em uma cobertura que facilitaria a aplicação para futuras placas fotovoltaivas, assim o edifício poderia não só produzir a sua energia como também distribuir para a comunidade de gurugi.
A soma das estratégias bioclimáticas aqui aplicadas resultam em uma arquitetura passiva e grande eficiência energética:
Paredes brancas, cobertura ampla e branca, madeira certificada, conceitos regionais inseridos, horta comunitária, acessibilidade, reuso de aguas, grandes aberturas controle de iluminação natural e ventilação são aplicados nesse projeto como princípios básicos do ambiente construído.
essa construção foi pensada para atender o nivel de eficiência A dentro da etiquetagem da procel (selo nacional PBE Edifica)

 

Materialidade:

O projeto visa a racionalidade de materiais, o uso de aço na estrutura da cobertura suspensa que se aporta em treliças metálicas e pilares de aço que por sua vez estão inseridas em placas de concreto pré-moldadas, elementos estruturados em madeira na fachada com fechamentos geométricos em placas metálicas perfuradas, releitura contemporânea aos cobogós, e fechamentos das aberturas em vidros.