CASA DE PAUS

Concurso: Desafio Casa AQUA em parceria com a Cipasa Urbanismo, realizado pela Inovatech Engenharia. O desafio era de desenvolver uma residencia com arquitetura diferenciada, de forma a aproveitar as características do local, minimizar o consumo de água e energia, garantir conforto aos futuros moradores e reduzir os impactos ambientais de sua construção. Os projetos foram avaliados considerando os seguintes critérios:

-Arquitetura bioclimática, 
-Sistema construtivo,
-Materiais sustentáveis
-Gestão de água e de energia.

Nossa proposta foi baseada no contexto prático do tema, em minimizar custos e tempo, aumentar a eficiência energética ao nível máximo, agregando muito confronto e elegância através da simplicidade da sustentabilidade.
O escritório Om Arquitetos recebeu o Premio de Menção Honrosa e destaque para o sistema construtivo.

A relação direta entre simplicidade e sustentabilidade ditou a escolha dos materiais que compõe a proposta. Elevar a edificação acerca de 20 cm do solo não somente foi uma opção estética que agrega leveza ao conjunto, mas potencializam os efeitos da ventilação cruzada das aberturas, tal decisão incrementa o sistema bioclimático dispensando a necessidade de recursos mecânicos de climatização que demandem consumo de energia.

O piso executado com sistema Steel Deck nos pareceu interessante, por ter: maior resistência, durabilidade, alcance de vãos consideráveis sem uso de formas de madeiras ou até mesmo sistemas de escoramentos.

Abaixo do piso, todo o sistema de alimentação das redes elétricas e hidrossanitários, serão conduzidos e protegidos por dutos e pontos de inspeções no piso, facilitando eventuais manutenções.

As vidraças de portas e janelas são polarizadas e possuem proteção (UV).  A proposta possui papel fundamental no aporte da eficiência energética para tirar o máximo de proveito da iluminação natural sem comprometer a privacidade.

Os prolongamentos das estruturas em madeira que compõem a cobertura dão origem as marquises leves porem resistentes com fechamento em policarbonato, também protegidos por uma película (UV).

A madeira proporciona ao projeto ganhos únicos desde a estética até a franqueza de sua materialidade estrutural. Desta forma toda a concepção da proposta esta baseada em seu uso com origem em reflorestamento certificado isso garante economia além de sequestrar o CO² durante seu processo de crescimento. O baixo consumo energético no preparo da madeira e sua capacidade de renovação foram preponderantes na escolha do seu uso.

No entanto, o uso da madeira de forma econômica não garante a exclusão total de outros materiais auxiliares na elaboração do conjunto. Motivo este que nos levou a adoção de componentes e peças que garantem mais eficiência, As conexões de aço possuem grande durabilidade e pouca manutenção, além de melhor funcionamento do conjunto estrutural.

Para tanto as fundações em contato direto com o solo se constituem em estacas de concreto armado, que constituirão as bases para a inserção de peças em aço que permitirão a conexão com as estruturas de madeira liberando-as do solo e permitindo também a absorção dos movimentos naturais da estrutura em função dos diferentes coeficientes de dilatação dos materiais.

Nesta proposta para as fachadas de maior incidência solar optou-se pela implantação de uma “membrana de madeira” que remete á uma cerca cuja função serve como uma segunda pele e do suporte para o desenvolvimento de uma vegetação apropriada (trepadeiras) cujo propósito é sombrear e absorver a radiação solar.

Um ponto importante é a capacidade de absorção e troca energética entre os ambientes, o que em grande parte se dá pela cobertura elaborada com telhas termo acústica esmaltadas na cor branca, foi uma escolha sustentável e econômica. Trata-se de um material leve que não agrega esforços adicionais e sua fixação pode ser executada diretamente a estrutura da cobertura. Essa cobertura é subdivida em 18 águas que coletam a chuva por um sistema de calhas de alumínio até o reservatório.

Local: Alphaville SP
Ano: 2018
Área: 250m²